sexta-feira, 26 de agosto de 2011

A “faxina” acabou


Foi propagado esta semana pelo Palácio do Planalto que a presidenta Dilma Rousseff só mexerá em sua equipe de governo se os partidos e as lideranças da coalizão solicitarem. Esta informação poderia ser também transmitida da seguinte forma: Caríssimos aliados, podem ficar sossegados: a “faxina” acabou!

Na realidade, não há novidade alguma nesta notícia. Ela já era esperada, haja vista a pressão sofrida pela presidenta dentro de seu próprio partido, o PT, e dos demais aliados, para que o processo de “limpeza” fosse encerrado. E tudo isto de forma clara, transparente, aos olhos da nação, como se a corrupção fosse normal; um ato institucional, legalizado.

Logicamente não se pode aplaudir este retrocesso da presidenta Dilma. No entanto, por outro lado foi muito relevante para a nação a exposição, de forma explícita, do tamanho da “sujeira” herdada por seu governo. Nunca em tão pouco tempo vimos tantos casos de corrupção e demissões, nas quais a presidenta demonstrou coragem e faz jus a elogios.

Contudo, isto incomodou muito, principalmente ao maior dono do poder, o PT, ao ponto das principais lideranças ficarem preocupadas, por julgarem que a atitude da presidenta enfraqueceria o partido e chamuscaria o seu principal líder, o ex-presidente Lula da Silva, visto que é evidente - e inquestionável -, que a corrupção se avultou muitíssimo no seu governo.

Outra questão que incomodou o PT foi a pressão dos aliados flagrados na corrupção, principalmente o PMDB. Daí veio o medo de que agora feridos eles viessem a armar-lhes o troco, destampando as suas sujeiras.

Por oportuno, então, todos resolveram se entender, da mesma forma que no MENSALÃO do PT, quando se autoabsolveram. Só que desta vez na comemoração não houve a dança da vaca louca, protagonizada pela então deputada Ângela Guadagnin (PT-SP) no plenário da Câmara dos Deputados, porque a relação entre os partidos encontra-se muito mais desgastada.

O ministro Pedro Novais, para não carregar sozinho o peso da corrupção no seu ministério (Turismo), não poupou o PT ao dizer que todo esquema de liberação das verbas vem desde Lula da Silva, que muita coisa está sendo feita para corrigir o que foi deixado e etc...

Também o ministro Mário Negromonte (das Cidades), em entrevista ao jornalista de “O Globo”, Gerson Camarotti, saiu atirando para todos os lados, deixando no ar inclusive ameaças, como a seguinte: - Imagine se começar a vazar o currículo de alguns deputados, ou melhor, a folha corrida...

Negromonte para se manter no poder não poupou nem mesmo seu partido, o PP (Partido Progressista), e disse que haverá um “banho de sangue”; que se ele cair o partido será desmoralizado, da mesma forma que o PR (Partido da República), que neste momento esbraveja sozinho.
Assim, a nossa política vai se empobrecendo em seus valores e o processo de amadurecimento das instituições fica comprometido. Dá até tristeza em ver o comportamento da maioria dos “nossos representantes” e a forma como os interesses da nação são colocados de lado, em função de interesses mesquinhos.

Porém, vale acreditar e não perder as esperanças, mesmo sabendo que a “faxina” acabou, quando ainda deveria estar começando. Afinal o Brasil é muito maior que os políticos.