quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Lobos com fantasias de cordeiros

No início do mês de março de 2013, na cidade de João Pessoa – Paraíba, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT-RS) anunciou em alto e bom som: podemos fazer o diabo quando é hora de eleição. Naquela ocasião, ela percorria o Brasil em sua pré-campanha para as eleições de 2014, mesmo vedada por lei. E, sem qualquer escrúpulo, assim foi feito! A ex-presidente passou a vender aos brasileiros um país sem problemas, em consonância com o projeto lulopetista de não deixar o poder.
Ainda em 2013 a ex-presidente utilizou-se de uma cadeia nacional de rádio e televisão, em horário nobre, para comunicar a redução nas contas de energia elétrica. O desconto médio para os consumidores residenciais foi anunciado em 20,2%; o mínimo, na ordem de 18,0%. Para os consumidores de alta tensão, o governo fixou uma redução de 32,0%. A variação dos descontos ficava atrelada à antecipação da renovação dos contratos com as concessionárias de transmissão e geração de energia.
Passadas as eleições de 2014, não tardou para que os consumidores fossem surpreendidos, naquele mesmo ano, pelo aumento médio nas tarifas de 17,06%. Em 2015, para corrigir o déficit gerado pela defasagem nos preços das geradoras e fazer frente a necessidade de utilização de usinas termoelétricas, pelo período de seca, a Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL - autorizou aumentos superiores a 50%. Isto não só anulou os descontos anteriormente concedidos, como provocou aumentos reais nas tarifas da energia, em todo Brasil.
Agora, no início de 2017, mesmo depois dos pesados reajustes aprovados pela ANEEL em 2015, novamente o consumidor é surpreendido pelo anúncio de um novo aumento. A justificativa é a de indenizar as empresas transmissoras, no montante de R$ 62,2 bilhões, pelos prejuízos acumulados após a decisão presidencial de 2013, certamente movida pelo diabo para ganhar as eleições de 2014.
Quem irá arcar com mais essa fatura, é lógico, mais uma vez será o consumidor final. O aumento médio previsto para as transmissoras será na ordem de 7,17%. A previsão é de um novo aumento real para todos os consumidores finais, que se estenderá do próximo mês de julho até o ano de 2025. 
Nada pior na direção da economia que a intromissão exacerbada e incompetente dos governos sobre os agentes que regulam os preços do mercado. Forma-se uma panela de pressão pronta para explodir uma crise! E, pior ainda, quando a intromissão é associada a interesses mesquinhos e à corrupção.
No entanto, os mesmos que levaram o Brasil à atual crise agora se fantasiam de “santos”, como faz a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) ao dizer que o PT não foge ao dever de apontar saídas para crise econômica e social que se abate sobre o Brasil, uma vez que nós temos propostas, até porque já governamos este país e sabemos o que é preciso oferecer... Como se vê, os mesmos que levaram o país para o fundo do poço voltam-se agora como os salvadores da pátria.
Então, que cada brasileiro fique muito atento, pois há muito político solto vendendo gato por lebre.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Viajando na corda bamba

Pesquisa recente realizada pelo Instituto Paraná, com amostra extraída em 26 estados e no Distrito Federal, no período entre os últimos dias 12 e 15 de fevereiro, indica que para 26,9% dos brasileiros a situação do país piorou. Quando a avaliação é sobre a administração do presidente Michel Temer (PMDB-SP), apenas 1,2% dos entrevistados consideraram a administração como ótima; 11,2% a consideraram como boa, contra 35,5% ruim e 49,8 % péssima.
A última pesquisa da Confederação Nacional da Indústria – CNI/IBOPE, realizada ao final do ano passado, já apontava a tendência de queda na avaliação do governo, quando o percentual de ruim e péssimo chegou à casa de 46% dos entrevistados. Na mesma pesquisa, o índice de aprovação foi bem similar ao apontado pelo Instituto Paraná, quando somente 13,0% dos entrevistados aprovavam o governo Temer, considerando-o como ótimo ou bom.
Pode-se inferir de ambas as pesquisas, que o desdobramento da Operação Lava Jato e a composição dos ministérios do governo peemedebista, com políticos citados nas delações premiadas, têm atingido diretamente o coração do governo.  A promessa inicial era a de que seria montada uma equipe de ministros de reconhecida capacidade técnica - “notáveis”, conforme palavras do presidente. O que prevaleceu, no entanto, foi o velho toma lá dá cá, com as mesmas raposas políticas.
Outro ponto que influencia na avaliação negativa do governo é a percepção de que a corrupção no Brasil tem aumentado. Casos como o do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e de sua quadrilha, só recentemente chegaram ao conhecimento público. Os valores desviados foram enormes: diversas contas bancárias espalhadas em paraísos fiscais, mansão na praia de Mangaratiba (RJ), jóias, diamantes e outras pedras preciosas, iate, lancha...
É evidente, também, que grande parte da população brasileira considera a crise atual como problema do governo Temer, sem conecta- la à verdadeira origem, que remete a falta de zelo na condução da política fiscal no período de governos lulopetista.
Infelizmente, quando há um desarranjo vultoso na economia, como no período que precedeu ao atual governo, não se conserta os estragos da noite para o dia. Nessa lógica, a equipe econômica do presidente Michel Temer tem trabalhado e demonstrado resultados. A queda da inflação é um excelente sinal. Mas, por outro lado, o momento atual exige reformas, que são impopulares.
A adoção de medidas econômicas populistas, para melhorar a avaliação da gestão, tal como anunciada pelo ministro Chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, será apenas mais uma ação paliativa. O que tem ferido o governo de morte, além do enunciado acima, são as iniciativas da base parlamentar para sufocar a Operação Lava Jato, assim como a manutenção das mordomias e privilégios de determinadas castas do serviço público. E, com as redes sociais, não há mais tolos que não observem esses fatos.

Em razão dessa dissintonia com a opinião pública, os principais movimentos da sociedade organizada - os verdes e amarelos: Movimento Brasil Livre, Vem pra Rua, Revoltados Online, Nas Ruas, entre outros - já marcaram para o próximo dia 26 de março uma nova manifestação pública de caráter nacional. Tal ato pode custar o aumento na impopularidade do governo, por até aqui não escutar o clamor das ruas.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Da festança ao pesadelo


No dia 2 de outubro de 2009, na sede do Comitê Olímpico Internacional (COI) em Copenhague –Dinamarca, na cerimônia de escolha da cidade que sediaria as Olimpíadas de Verão e os Jogos Paralímpicos de 2016, autoridades brasileiras de alta patente comemoraram efusivamente quando Thomas Bach anunciou a escolha do Rio de Janeiro. Em um instante a “vitória” transformou-se em festa, com abraços, pulos e gritarias, como se estivéssemos resolvendo os problemas do mundo.
Naquela ocasião, o governo do ex-presidente Lula da Silva (PT-SP) já vislumbrava outros dois megaeventos: a XXVIII Jornada Mundial da Juventude, realizada ao final de julho de 2013, e a Copa do Mundo FIFA de 2014.  Esta última com muito mais encargos, que deveriam servir como legado à população, tais como melhoria dos aeroportos, da mobilidade urbana, da segurança pública, ... Os 12 estádios a construir ou reformar, para cada uma das sedes escolhidas, obedeceriam ao padrão FIFA.
Nenhum governo racional, competente, se atreveria a assumir compromissos de tais magnitudes em um intervalo de tempo tão curto. O do Brasil, no entanto, levado pelo delírio, ufanismo e crescimento na rabeira do mundo, na contramão, aceitou tais desafios. O resultado é que para trás ficaram inúmeros elefantes brancos, obras não concluídas e outras sequer iniciadas. Mas, ao custo de bilhões e bilhões de reais, realizou-se a festança, com superfaturamentos por todas as regiões do país.
A realidade, que é implacável, não suporta ofuscar-se pelos delírios midiáticos e populistas. Por isto, nunca tarda a chegar. Desta vez, chegou rápido! Logo depois da reeleição da ex-presidente Dilma Rousseff, ao final de 2014. Naquele final de ano já não foi mais possível esconder da população a real situação da economia. A crise se aflorou tal como uma “marolinha”, pronta para formar o tsunami.
Hoje, todo o país vem sofrendo as conseqüências da falta de zelo de vários governos com a economia. A exceção se resume a alguns setores do funcionalismo público, que ainda são movidos pelo corporativismo e continuam a navegar em céu de brigadeiro. As empresas e os trabalhadores em geral, entretanto, são os mais afetados, o que tem repercutido diretamente nas receitas da União, dos estados e dos municípios. Somente o setor da indústria amargou uma queda de 19,1% nos últimos três anos, enquanto os indicadores oficiais apontam mais de 12,3 milhões de desempregados.
“Como nunca antes na história deste país”, vivenciamos uma crise dessa dimensão. Porém, na economia já se observa uma luz adiante, em razão dos ajustes que estão sendo realizados. Nesta hora há que separar o joio do trigo: os que trabalham em função dos acertos do país, daqueles que querem a manutenção dos privilégios.
Particularizando, no estado do Espírito Santo, que de norte a sul ora vivencia um verdadeiro caos na segurança pública, o setor da saúde não deixa de ser um exemplo, principalmente no que diz respeito aos hospitais filantrópicos. Estes não têm aumento há mais de 10 anos, mesmo assim continuam a atender à população, embora no início de 2015 tenham sofrido um corte de 20% em suas verbas.
Se a crise atual tem como raiz a prevalência dos interesses espúrios, mesquinhos, a saída está na reorganização do Estado, de modo a valorizar a res publica, em benefício de todos.



sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Desemprego: síntese do desgoverno petista

Resultado de imagem para Desemprego e injustiça social
A quantidade de brasileiros que está em busca de emprego alcançou o montante de 12,3 milhões de pessoas ao final de 2016, conforme dados da Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada esta semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Este é o maior número da série histórica, iniciada em 2012, quando o IBGE passou a excluir os subempregos e os que recebem benefícios sociais, como o Bolsa Família, ao introduzir essa nova metodologia.
Se fossem computados todos os que estão na informalidade ou sem procurar o mercado de trabalho, certamente também teríamos um novo recorde histórico no número de desempregados, pois ora esse grupo soma mais de 11,0 milhões de pessoas, o que daria mais de 23,0 milhões de brasileiros sem emprego.
Só no ano passado foram fechados 3,2 milhões de postos de trabalho formal (com carteira assinada), afetando todas as regiões do país. Por esta razão, a massa de salarial bruta diminuiu, considerando a média anual, em R$ 6,5 bilhões ao mês, o que corresponde a uma queda de 2.3% no ano de 2016, em relação a 2015, de acordo com o IBGE.
O setor até aqui mais afetado pela crise é o da indústria. Nos últimos três anos a produção industrial brasileira despencou 19,1%, gerando a perda de milhares de postos de trabalho neste setor, que é um dos que tradicionalmente apresenta melhor remuneração na área privada. Em 2016, somente na construção civil foram suprimidos quase 900 mil postos de trabalho.
Enquanto as empresas e os trabalhadores do setor privado vão amargando pesadas perdas, que refletem diretamente na arrecadação do Tesouro Nacional, diversas categorias de servidores públicos ainda obtêm ganhos reais de salário, não obstante a crise. Vale lembrar que durante a gestão lulopetista a média dos salários dos servidores públicos subiu três vezes mais que a do setor privado.
Aliás, quando se compara os salários e as aposentarias entre ambos os setores, os governos sempre procuram sair pela tangente. Da mesma forma procedem quando são questionadas determinadas mordomias, que só proliferam nos serviços públicos, tais como auxílio moradia, longos períodos de recesso das atividades, licenças prêmios, entre outras escandalosas vantagens que sangram ilimitadamente o erário, sem considerar o cenário de recessão aguda.  
Portanto, se o nosso país chegou a atual situação (desemprego, rombos nas contas públicas, pagamento vultosos de juros e endividamento descontrolado das contas públicas – recordes históricos) não foi ao acaso, mas levado pela ambição desmedida e descaso com a maioria da população. Daí essa maioria estar no sacrifício, enquanto uma minoria ainda se regozija a expensas do erário público.
Espera-se que o novo relator dos processos da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro paranaense Edson Fachin, dê continuidade aos trabalhos desenvolvidos pelo então ministro Teori Zavascki, morto no último dia 19 de janeiro em um acidente aéreo. O que o Brasil precisa é de moralizar as suas instituições, em benefício de todos os seus cidadãos. Assim procederam no passado os países com elevado grau de desenvolvimento social e humano. Só com seriedade e comprometimento teremos um país melhor para todos, sem esse número exagerado de desempregados.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Baixo mundo doentio dos corruptos

Apenas a título de comparação, pode-se dizer que a corrupção está para a sociedade assim como uma grave doença infectocontagiosa está para o corpo humano, pela capacidade de ambas em realizar, cada qual em seu universo, imensuráveis estragos. O ponto distinto dessa comparação é que os agravos das doenças infectocontagiosas geralmente são transmitidos por agentes patogênicos, como vírus e bactérias, enquanto os agentes maléficos que transmitem a corrupção, seja ela ativa ou passiva, são conhecidos pelo nome de corruptos e corruptores.
Tal como as doenças infectocontagiosas agravadas, quando necessitam de antibióticos de largo espectro para derrotar seus agentes patogênicos, a corrupção é um mal que também precisa de fortes doses de remédio para desarmá-la, pela destruição que promove em todo o corpo da sociedade. Seus agravos podem ser facilmente diagnosticados, através de uma simples observação da realidade da segurança pública, da qualidade do sistema de educação, dos serviços de saúde que são ofertados à população, entre tantas outras competências dos serviços públicos e mesmo na iniciativa privada.
Tanto os corruptos como os corruptores subtraem da sociedade os seus valores mais nobres, além de dilapidar a esperança no futuro. Suas ambições são sempre desmedidas e, por esta razão, devoram sem qualquer escrúpulo ou pudor os recursos que deveriam ser aplicados em benefício de todos. Com a educação de qualidade teríamos maior mobilidade e inclusão sociais, bem como diminuição nos elevados indicadores da criminalidade, que já extrapolam o controle público; com um sistema de saúde eficaz, teríamos cidadãos mais sadios, produtivos e felizes; etc... etc...
Mas os corruptos e os corruptores não estão nem aí para os estragos que fazem, tal como um vírus ou uma bactéria no corpo humano. O que lhes interessa é o ganho imediato, sem limites, para abastar a ostentação e a ânsia de poder - um modo de vida pequeno e mesquinho. Neste aspecto, todos eles são iguais em incompetência, pois lhes faltam criatividade e sabedoria para desenvolver um trabalho produtivo e honesto de modo a prover o próprio sustento, da forma como procedem as pessoas de bem, de caráter evoluído, que aprenderam a pensar com sabedoria.
Felizmente, conforme demonstraram inúmeras manifestações, de verde e amarelo que tomaram as ruas depois de 2013, a maioria dos brasileiros hoje sonha com um país melhor para todos, sem corrupção. Daí a aprovação quase que por unanimidade da Operação Lava Jato e seus desdobramentos. Não por outra razão, o lado maiúsculo da Justiça Federal, do Ministério Público e da Polícia Federal foi fortalecido.
O brasileiro também passou a ter maior percepção sobre a corrupção no país, conforme demonstra o último relatório divulgado pela Organização não Governamental (ONG) Transparência Internacional, relativo ao ano de 2016. O Brasil situa-se agora na 79ª posição entre 176 países, no ranking sobre a percepção da corrupção no mundo. Na América do Sul o país com a maior percepção de corrupto é a Venezuela do falecido Hugo Chávez e do atual ditador Nicolas Maduro, fiéis amigos de nossos ex-presidentes Lula da Silva (PT-SP) e Dilma Rousseff (PT-RS).
Entre os menos corruptos estão Nova Zelândia, Dinamarca, Finlândia, Suécia, Suíça, Noruega, Cingapura, Holanda, Canadá e Alemanha. Esses países são exemplos de que o desenvolvimento humano e social não são impossíveis. A sociedade é que tem que estar atenta, de olho vivo, pois este é o antídoto para a doença que contamina os corruptos e corruptores. Neste aspecto, a Lava Jato é um alento para todos nós brasileiros, afinal alguma coisa está sendo feita.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

No fim do túnel tem uma luz, mas também uma pedreira


Resultado de imagem para forum econômico de davos

O Forum Econômico Mundial de Davos, realizado anualmente na pequena cidade de Davos, na Suíça, é o mais importante encontro de líderes mundiais na área da economia. Em Davos reúnem-se ministros da Fazenda ou da Economia, presidentes de Bancos Centrais, grandes investidores e empresários de vários setores - principalmente do segmento financeiro -, Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional, entre outros organismos que influenciam diretamente o destino do planeta.

Nos últimos anos o Brasil andava sumido de Davos, em razão do descrédito a que chegou a nossa economia. Descontrole na política fiscal, aumento do endividamento interno e externo, recrudescimento da inflação, excesso de protecionismo, entre tantos outros indicadores adversos geraram uma desconfiança imensa do país lá fora. O mundo passou a ver que o crescimento do Brasil na era petista não estava pavimentado em políticas consolidadas, mas no populismo.

A desastrada política econômica, ancorada na bandalheira que nos foi mostrada até aqui pela Operação Lava Jato, reflete ainda, no dia a dia, sobre todos nós. A maior comprovação está no elevado número de desempregados e na diminuição na renda. Os estragos foram enormes, de modo que é impossível desfazê-los em curto prazo, da noite para o dia. Todavia, as medidas corretivas estão sendo implementadas de modo a retomar a credibilidade na economia e no governo.  

Segundo dados publicados na última terça-feira pela Organização das Nações Unidas (ONU), em seu último informe anual, o crescimento previsto para o Brasil, neste ano, será de 0,6%, um pouco maior do que a previsão oficial do Banco Central, que é de 0,5%. Tal indicador é o pior entre os países do G-20. Só não será pior do que o Equador, Guiné Equatorial, Síria, Trinidad e Tobago e Venezuela, que atualmente passam por problemas internos ainda maiores que o nosso.

A situação do Brasil, entretanto, já começa a apresentar sinais inequívocos de melhora. Alguns indicadores são a volta da inflação para o centro da meta (4,5% ao ano), a tendência de queda nas taxas de juros, a aprovação da Emenda Constitucional nº 95 - que limita a elevação dos gastos públicos acima da inflação, por vinte anos - e a proposta de mudança na previdência social.

Por este motivo, as medidas executadas pela equipe econômica do governo de Michel Temer (PMDB-SP) mostraram-se como uma grata surpresa no Forum Econômico Mundial de Davos.  Segundo técnicos da ONU “a recessão no Brasil pode ter sido superada, depois de uma forte queda de produção em 2015 e 2016... A incerteza política no Brasil caiu e os fundamentos para um programa de gerenciamento macro foi introduzido”.

O que pode atrapalhar a recuperação que se avizinha é a morosidade e a política demagógica e mesquinha, que apequena com seu fisiologismo o Congresso Nacional. Da oposição do PT e dos demais partidos da esquerda não podemos esperar nada. Estes, depois de sistematizarem a roubalheira e destruírem o Brasil agora sonham em retornar ao poder. Para eles, quanto pior, melhor! 















quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Venezuela - Um futuro sombrio

A Venezuela, um dos maiores produtores de petróleo no mundo, chegou ao fundo do poço, depois de 17 anos de governos “bolivarianistas”, ou socialismo do século XXI, conforme gostava de nominar o ex-presidente Hugo Chávez (1954-2013) ao sistema de governo introduzido por ele em 1999. Carismático e populista, antes de falecer prematuramente, em 2013, escolheu a dedo como sucessor o seu vice-presidente e um dos mais fieis escudeiros: o sindicalista Nicolás Maduro.
Enquanto o preço do petróleo transitava lá em cima, nas nuvens, os socialistas bolivarianos vangloriavam-se em reduzir a pobreza na Venezuela, de 50% para pouco mais de 25% da população. O sucesso do governo era sempre atribuído a “competência” de Hugo Chávez e ao sistema. Assim, a bonança no valor das commodities foi sendo negligenciada como se fosse eterna, ao mesmo tempo em que o mercado tornava-se secundário frente ao Estado.
Com a alteração do humor no mercado mundial os preços das commodities despencaram, e da noite para o dia a Venezuela passou a enfrentar uma nova realidade: falta de alimentos, de produtos de higiene e limpeza, de medicamentos, de energia elétrica, entre tantos outros itens básicos. Paralelamente a inflação disparou, diminuindo o poder de compra da população, principalmente dos mais pobres.
Para atenuar essa situação, no último dia 7 de janeiro o presidente Nicolás Maduro concedeu um novo aumento para o salário mínimo (SM), na ordem de 50%. Isto elevou o salário mínimo na Venezuela para 40.638 bolívares, o que equivale a aproximadamente 12 dólares ou cerca de R$ 38,00.
Os problemas políticos, sociais e econômicos da Venezuela, segundo Nicolás Maduro e seus partidários, são decorrentes da “ganância dos empresários”, da “ultra-direita oposicionista”, da “elite golpista”, da imprensa - nos últimos anos a imprensa livre e independente foi severamente tolhida - entre tantos outros jargões conhecidos dos brasileiros.
Não obstante à crise, os venezuelanos ainda perderam o direito de escolher seus governantes, ao ver esgotar a possibilidade de um plebiscito revogatório – princípio Constitucional adotado na Venezuela, que dá ao povo o poder de trocar o governante. E a Casa do Povo, o Congresso, foi colocada à margem do poder, tal como se não existisse, enquanto a Suprema Corte totalmente aparelhada por “chavistas”.
Desta forma, Maduro se impõe cada vez mais como um ditador radical, perseguindo tenazmente seus opositores, inclusive mantendo dezenas de presos políticos. Esta semana, para inibir ainda mais a oposição, acabou por criar um “Comitê de Defesa da Revolução”, ao modelo de Cuba, para intensificar a repressão aos seus desafetos.
Independente das riquezas da Venezuela, o país vai se tornando um dos mais pobres e de maior violência no mundo. Segundo o Observatório Venezuelano da Violência, no ano passado foram contabilizados 28.479 homicídios - uma morte violenta a cada 18 minutos. A pensar que este é o país que “tem democracia em excesso”, conforme afirmação de nosso ex-presidente Lula da Silva (PT-SP), há que questionar: - Em que mundo estamos?