quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Brasil descendo ladeira abaixo, pela incompetência.

Da forma como já vinha sendo anunciado há vários meses, a agência de Classificação de risco Standard & Poor’s (S & P) decidiu por retirar do Brasil o grau de investimento, rebaixando a nossa classificação para patamar especulativo. Esta é a pior notícia que poderíamos receber neste momento, em meio à gravíssima turbulência que atravessa a nossa economia, embora a S & P seja apenas uma entre as três grandes companhias do gênero, e a primeira a tomar tal decisão.
A agência Moody’s recentemente já havia rebaixado o Brasil, pela “deterioração substancial” dos indicadores econômicos, sem, contudo, cortar o status de bom pagador do país. Segundo o vice-presidente de comunicação da Moody’s, Eduardo Barker, qualquer revisão antes de 12 meses só se dará caso ocorra o que chamou de “evento brusco”. A outra grande empresa, a Fitch Ratings, sinalizou para breve uma nova revisão, o que certamente implicará no rebaixamento dos atuais dois degraus acima do nível especulativo.
Este cenário agrava ainda mais as perspectivas futuras do Brasil, uma vez que tornam mais difíceis e caros os financiamentos das nossas empresas e do próprio país, tanto no mercado interno como no exterior. Para a Petrobras, particularmente, que detém uma dívida bruta em torno de R 500 bilhões, após as altas recentes do dólar, tal fato é uma verdadeira catástrofe, por comprometer os atuais níveis de investimento e afetar diretamente a capacidade de recuperação da companhia.
Em uma conjuntura de juros altos, inflação perto da casa dos dois dígitos, retração das atividades econômicas – segundo pesquisa da Focus, divulgada na última terça-feira, o mercado já projeta para 2015 uma recessão na casa de 2,44 % do PIB – e da incapacidade do governo de enfrentar os graves problemas políticos e econômicos, torna-se cada vez mais difícil a retomada do crescimento econômico. Certamente estaremos fadados a uma nova década perdida.
A realidade é que os governos do Partido dos Trabalhadores (PT), movidos pela incompetência, arrogância e ambição desmedida, levaram o país para o fundo do poço. Daí o aumento do desemprego, disseminado por todo território nacional, e a falta de perspectivas devido à inibição para novos investimentos. Agora, são justamente os que foram mais iludidos pelo populismo exacerbado os que mais sofrem com o pagamento da conta!
Segundo o ex-presidente do Banco Central (BC), economista Gustavo Loyola, em entrevista concedida ao jornal “O Estado de São Paulo”, o Brasil perdeu o grau de investimento por causa da irresponsabilidade da política econômica... Perdemos aquilo que nós demoramos muitos anos para construir. Quando eu fui presidente do BC, nos idos de 95 e 97, o país não era grau de investimento e todos nós trabalhávamos naquela época para conseguir isso... Agora perdemos depois de uma política totalmente desastrosa sob inspiração do Ex-ministro Mantega (PT-SP).
Diante desse quadro, de pouco adianta a presidente Dilma Rousseff realizar reunião de emergência com seu ministério visando reverter o caos das contas públicas. Falta-lhe credibilidade para isso! Ademais, seu ministro da Fazenda, Joaquim Levy, há tempo vem sendo fritado dentro do próprio governo, sem unidade e comando, onde até o ministro das Comunicações dá entrevista sobre economia. Pior problema, entretanto, é que os conchavos vão dando sobrevida a um governo que pela incompetência já deveria ter acabado há muito tempo.