quinta-feira, 24 de março de 2016

Não vai ter golpe. Vai ter impeachment!

Um dos primeiros atos do ex-presidente Lula da Silva (PT-SP) quando assumiu o primeiro mandato, em 2003, foi cravar nos jardins dos Palácio da Alvorada e da Granja do Torto a estrela petista, simbolizando a tomada do poder pelo partido. Agora a “presidanta” Dilma Rousseff (PT-RS), passado um pouco mais de treze anos, utiliza-se do Palácio do Planalto como quartel general contra o impeachment, realizando verdadeiros comícios para a tropa de choque do PT, PCdoB e simpatizantes.
É fato notório que durante todo esse tempo os governos lulopetistas converteram em padrão de conduta o uso do Estado como possessão do partido. O exemplo mais contundente é a Operação Lava Jato, com provas consistentes levantadas pela competência do Ministério Público e da Polícia Federal, bem como da efetividade do trabalho da Justiça. E a corrupção sistematizada não se limitou a sustentar o projeto de poder do PT, pois também serviu ao enriquecimento ilícito de inúmeros burocratas e políticos.
Até aqui foram tipificados pela Operação Lava Jato vários crimes contra o Estado durante a gestão petista: corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro, manutenção de depósito em contas no exterior não declaradas, organização criminosa (ou formação de quadrilha?), tentativa de obstrução da Justiça, entre outros... A soma das penas dos réus já condenados na Primeira Instância da Justiça Federal em Curitiba chega a quase mil anos, dos poucos processos concluídos.
O artigo 37 de nossa Constituição estabelece que A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Portanto, não faltam motivos para o impeachment da “presidanta” Dilma Rousseff, nem para que o ex-presidente Lula da Silva seja impedido de assumir qualquer cargo público.
Foram inúmeros os crimes de responsabilidade cometidos por ambos no exercício do cargo maior da República, que representam “um atentado às principais regras constitucionais e da democracia”. Particularizando a situação da presidente Dilma Rousseff, o principal deles é a irresponsabilidade fiscal de seu governo, que deu origem a pior crise econômica da história do Brasil, e que ora vivenciamos.
Dizer que é golpe, como procede a trupe petista e seus seguidores, para perpetuar um governo incompetente e corrupto, é subtrair a inteligência de todos, como também querer impor a vontade da minoria, frente ao clamor de quase a totalidade dos brasileiros. A últimas pesquisas de opinião pública falam por si.
Mais grave ainda é atacar as instituições de Estado, tal como o PT, o ex-presidente Lula da Silva e a "presidanta" Dilma Rousseff vem fazendo sistematicamente, na tentativa de salvar os corruptos. Esse é o verdadeiro golpe contra o Brasil e os brasileiros.
Vários ministros do Supremo Tribunal Federal, entre eles Cármem Lúcia, Celso de Mello e Dias Toffoli - este ex-advogado do PT - já se manifestaram que o impeachment não pode ser caracterizado como golpe, porque “estão sendo observadas rigorosamente a Constituição e as leis”.
É uma afronta à democracia a esquerda atrasada e golpista dizer que “não vai ter golpe”. Golpe é o que eles “andam combinando no breu das tocas“; “O que não tem decência nem nunca terá”; “O que não tem conserto nem nunca terá“. O que não tem vergonha nem nunca terá. O que não tem juízo”.  Isto é o PT! Então: Impeachment nela! 

Acompanhe nosso blog "PRETO NO BRANCO por Wagner Medeiros Jr".