sexta-feira, 11 de março de 2016

Lula e Dilma nunca mais: Impeachment!


Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no ano passado o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro encolheu 3,8%. As previsões para este ano, dadas pelas principais empresas de consultoria e agências de classificação de risco, são de uma desaceleração econômica superior a 4%. Não tomadas as medidas cabíveis ao equilíbrio fiscal, em 2017 teremos mais recessão, com possibilidade de uma depressão, tamanho o desastre na condução da política econômica nos governos petistas.
Junto com a recessão vem a falência das empresas, o desemprego, a diminuição da renda, entre outros problemas que atingem principalmente as camadas mais pobres da população. Como conseqüência, os governos começam a aumentar os impostos, criando um círculo vicioso nada benéfico a estabilidade do país. Não tomadas as medidas cabíveis, conforme agora, forma-se um quadro desfavorável. Para piorar, os governos petistas se enlamearam em problemas éticos para dominar o Estado, criando uma crise moral e política sem precedentes.
Ao bem da verdade, a atual crise econômica não é de responsabilidade exclusiva da presidente Dilma Rousseff (PT-RS). O embrião começou a ser gestado ainda no governo do ex-presidente Lula da Silva (PT-SP), em 2006, com a nomeação do então ministro da Fazenda Guido Mantega (PT-SP) e sua equipe exclusivamente petista, como era clamor do PT à época. Essa corrente dita “desenvolvimentista” não mediu esforços para aumentar a gastança e ampliar a concessão de crédito à custa do endividamento do Estado.
É oportuno lembrar que até os países alinhados com a ideologia petista passaram a ser beneficiados pela política abundante de crédito, tais como Cuba, Venezuela, Equador, Angola, Bolívia, São Domingos, etc... Os referidos empréstimos, com juros subsidiados pelo povo brasileiro, contribuíram para elevar o endividamento do país, a fim de capitalizar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Observa-se agora, com o desenrolar da Operação Lava-Jato, que essas operações também serviram para favorecer graúdos políticos e empreiteiras.
Enquanto o governo financiava obras aos países a ele alinhados, negligenciava a modernização da nossa infraestrutura, a melhoria da qualidade da educação pública e a criação das demais condições para um crescimento econômico sustentável e duradouro.
Mesmo depois do insucesso, o PT volta a clamar pela adoção das mesmas políticas que levaram o Brasil ao atoleiro, como forma de consertar o malfeito. E, no desespero, pela iminência de perder o poder e ver a Operação Lava Jato bater às portas das coberturas do chefe em São José dos Campos, chega às raias da irracionalidade ao culpar a oposição, a imprensa e as instituições republicanas por todos os problemas que ora nos afligem. Vale a leitura do que disse a presidente Dilma Rousseff esta semana, em discurso proferido no Rio Grande do Sul:
“A oposição...não pode sistematicamente ficar dividindo o país, porque tem certo tipo de luta política que cria um problema sistemático (sic) não só para a política, mas para a economia, a criação de emprego e o crescimento das empresas”.
Tal como o seu partido, o PT, a presidente Dilma Rousseff não tem qualquer grandeza para assumir a culpa pelos fracassos de seu governo. Prefere dissimular e continuar mentindo, conforme durante a campanha eleitoral, como se todos os problemas nacionais e a roubalheira instalada em Brasília fossem problemas dos outros. Mas a incompetência tem nome e sobrenome.
Enfim, os brasileiros contrários à corrupção e a incompetência não se intimidarão pelas ameaças do PT e seus aliados: irão ordeiramente para as ruas. Há que se dar um basta aos abutres, que esfacelaram nossa economia, nossos valores e sonhos, e que hoje nos envergonha diante do mundo.