domingo, 23 de agosto de 2015

Libertando de um grande estorvo.

Por mais que a presidente Dilma Rousseff (PT-RS) se esforce para recuperar a popularidade, sob a tutela de seus marqueteiros e do ex-presidente Lula da Silva, isto será quase impossível. Depois das eleições o povo sentiu-se enganado, traído, tal como mostram de maneira inequívoca as pesquisas e a opinião pública. Os aumentos da taxa de juros e do desemprego, a queda no poder de compra dos salários e a corrupção estampada diariamente nos jornais, entre tantos outros fatos negativos, mostraram os seus efeitos.
Até agora, entretanto, não se viu o governo ou o seu fiel escudeiro, o PT, admitir qualquer culpa. O erro é problemas dos outros, que invariavelmente sempre são os “golpistas”. No entanto, não foram os “golpistas” que aparelham o Estado como se não fosse público, mas privado; que se aliaram ao que temos de mais retrógrado e fisiológico, tanto à direita como à esquerda; que saquearam como nunca os cofres públicos, aproveitando-se do populismo, da dissimulação e da mentira.
Mas, como ninguém engana para sempre, a população foi se informando. É impossível esconder tantas mazelas e não sentir as consequências da crise. Contribuições relevantes vêm dando as instituições de Estado, como o Ministério Público, a Policia Federal e a Justiça, além da imprensa independente, que fortalecem a nossa democracia. A maioria dos brasileiros não querem aqui uma nova Cuba, uma nova Venezuela, tal como deseja uma minoria raivosa. Por isto, os desvestidos de ódio foram para rua.
Hoje a maioria já não aceita os falsos guerreiros, porque eles não são do povo brasileiro. E se o governo Dilma Rousseff e o PT se encontram isolados, com a maior rejeição de nossa vida republicana, falta-lhes legitimidade para continuar conduzindo o destino do país. Impeachment é a palavra certa! Basta de prepotência, de mentiras e da incompetência que levou o Brasil ao atoleiro!
Em recente artigo publicado na imprensa nacional, o advogado Almir Pazzianotto, ex-ministro do Trabalho e ex-presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), nos dá a seguinte lição:
Da trágica experiência com a longeva administração petista, os brasileiros, desejosos de redimir, devem retirar lições. A primeira é de que não conseguiremos nos aproximar do mundo desenvolvido em quatro, oito ou dez anos. Serão necessárias várias décadas, se nos revestirmos de coragem e começarmos já. A segunda lição é de que o povo deve identificar e repelir políticos demagogos, homens e mulheres levianos, viciados em mentir e em fazer promessas rapidamente abandonadas.
O ex-ministro também diz, como muita propriedade, que não faltaram advertências. A crise em que estamos envolvidos foi antecipada por vozes previdentes ao longo de mais de dez anos. Porém, se os bons avisos ficaram perdidos, não faltaram ouvidos para os conchavos e malfeitos. Aliás, essa é a maior obra dos governos petistas que ficarão para a história, tanto do mandato do ex-presidente Lula da Silva, como do mandato da presidente Dilma Rousseff.
Então, que tudo isso sirva-nos realmente de lição. Será necessário muito tempo para o Brasil recuperar os estragos deixados pelo PT e seus aliados. Todavia, não podemos arrefecer da luta, uma vez falta à minoria dignidade para abdicar da teta e do atraso.