sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Compromisso com o futuro?


A Organização para a Cooperação do Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou na última terça-feira o resultado do exame do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), relativo ao ano de 2012. O PISA é realizado a cada três anos, e consiste na aplicação de provas que avaliam a capacidade de interpretação da leitura e conhecimentos de matemática e ciências, para os alunos com idade de 15 anos.

Nesta edição o Brasil ficou na 58ª posição, entre 65 países analisados. Na anterior, realizada em 2009, ocupávamos a 53ª posição, comparando o mesmo conjunto de países. Mesmo assim, o Brasil avançou um ponto, resultante da melhoria na avaliação de Matemática, cuja nota saltou de 389 para 391 pontos. Em Ciências foram mantidos os mesmos 405 pontos, enquanto em Leitura houve uma piora de avaliação: de 411 para 410.

Desde que o Brasil passou a participar deste programa, no ano 2000, este foi o pior triênio da avaliação brasileira, o que demonstra que quando se trata de melhoria na qualidade da educação continuamos a patinar, não obstante ao aumento dos recursos aplicados no período e ao que é anunciado pelos governos.

Segundo Marcelle Ribeiro Andreas Schleicher, vice-diretor de Educação da OCDE, em entrevista ao “O Globo”, nosso país “foi bem sucedido em levar mais crianças à escola... Houve também aumento dos investimentos em Educação e progresso na atração dos melhores professores para salas de aula desafiadoras. Mas ainda há muito a fazer. A situação econômica das crianças ainda é um poderoso condutor do sucesso escolar do país”.

Um dos pontos apontados como problema do baixo rendimento dos nossos alunos, ainda é o montante dos recursos financeiros aplicados. Aqui gastamos R$ 64 mil por aluno do ensino básico, dos seis aos 15 anos, o que representa menos de um terço do que gastam os países desenvolvidos, que também foram avaliados pelo PISA. Estes gastam em torno de R$ 200 mil por aluno, durante esta mesma faixa etária.

Outro ponto é que nem tudo na Educação será resolvido com o aumento dos recursos financeiros. “Para avançar mais, o país terá que promover reformas profundas”, da forma como diz Priscila Cruz, diretora-executiva da ONG “Todos pela Educação”. Estas reformas, entretanto, sempre são retardadas pela gestão eminentemente política do sistema, em todos os níveis. Exemplo claro é a nomeação de secretários e ministros sem especialização e vivência na área.

Mas a questão que inicialmente tem que ser enfrentada é a qualidade das escolas e dos professores, pois como diz Andreas Schleicher “crianças mais pobres precisam ter acesso às melhores escolas”, de maneira que compreendam “que o aprendizado vai mudar a vida delas, no futuro”. É isto o que incentiva as crianças e faz diferença, evitando a evasão escolar.

Infelizmente, a Educação no Brasil continua ainda negligenciada. Os bons professores - aqueles que se esforçam em classe para valorizar o aluno - têm a mesma remuneração de professores medíocres, inclusive muitas vezes ainda são marginalizados. Temos o hábito de não valorizar a meritocracia - a eficiência - e nos acostumamos a passar a régua por baixo. Nem mesmo sabemos valorizar as melhores escolas. 

Neste sentido Schleicher nos dá uma aula em sua entrevista ao “O Globo”, ao citar como exemplo os países asiáticos, principalmente pelo alto valor que eles dão à Educação. Um caso exemplar é a China, que tem um contingente enorme de crianças pobres, mas que consegue atrair para suas escolas “professores muito qualificados”.

Com muito esforço, seguindo os exemplos de países bem sucedidos, tal como os asiáticos, o Brasil poderá se igualar aos países desenvolvidos em 2030, conforme opinião dos especialistas. Caso contrário, continuaremos susceptíveis aos discursos dos oportunistas e comprometendo o nosso futuro. Não se muda um país com mágica, mas com comprometimento, dedicação e trabalho.